Hiperinsuflação espontânea de balão intragástrico

Hiperinsuflação espontânea de balão intragástrico

 

Paciente 35 anos, IMC 32,  submetida a colocação de balão intragástrico há 6 semanas.

Procedimento de implante: SF 500 ml + 20 ml de azul de metileno.

Apresentou boa evolução após o procedimento, com progressão habitual da dieta e perda de 8 kg no período.

Há 1 semana iniciou quadro de dor em região lombar, sem relação com a posição ou movimentação, associada a náuseas, empachamento, desconforto abdominal e alguns episódios de vômitos.

Ao EF chamava atenção uma região endurecida à palpação de epigástrio/ HCE (Balão?).

 

Exames laboratoriais:

  • Amilase: 356; Lipase:1330
  • Na 142; K 3,7
  • Hb 13,7; Leuco 10.500
  • U 38; Cr 0,9

 

Solicitado RX de abdômen:

 

Realizada endoscopia digestiva alta com anestesia geral:

a) Balão impactado no corpo distal, rechaçando a incisura angularis; b) balão colonizado por fungos, dificultando a visualização do nível hidroaéreo em seu interior; c) balão mobilizado novamente para corpo proximal/fundo; d) idem b).

Presença de resíduos alimentares em pequena quantidade. BIG apresentava colonização fúngica em sua superfície, dificultando a visualização do nível hidroaéreo. Chamou atenção o volume relativamente normal do BIG. Esperava encontrar o balão bem volumoso, dificultando inclusive a passagem do aparelho para o antro, mas isso não aconteceu. A incisura estava achatada, comprimindo o antro, devido impactação no corpo distal. Era possível sua mobilização para o fundo, porém em poucos segundos ele retornava para sua posição habitual.

Realizada retirada do BIG sem intercorrências.

 

Evolução

Paciente permaneceu internada e repetiu exames laboratoriais no dia seguinte, apresentando normalização das enzimas pancreáticas. Bilirrubinas e enzimas hepáticas sem anormalidades. USG de abdomen apresentou microcálculos em vesícula biliar, sem dilatação do colédoco.

Apresentou melhora da dor, aceitando bem dieta leve e recebeu alta hospitalar.

 

Fisiopatologia

O mecanismo de hiperinsuflação espontânea do balão intragástrico ainda é desconhecido. Os dados na literatura são escassos e não permitem uma conclusão. Uma hipótese é que exista alguma relação com infecção por fungos ou bactérias anaeróbias. No entanto, não há uma explicação plausível para essa colonização:

  • durante o procedimento de inserção do BIG (por contaminação do líquido)?
  • defeito da válvula?
  • porosidade do material?
  • alguma condição intrínseca ao paciente?

 

A hiperamilasemia transitória provavelmente ocorre devido compressão do balão no corpo do pâncreas, especialmente no ponto em que este cruza com a coluna dorsal.

E você? Já teve algum caso semelhante? Como foi a evolução?

 

Baixar em PDF
Foto de perfil de Bruno Martins

Médico Endoscopista do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) e do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.
Doutor em Gastroenterologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Baixar em PDF

2 Comentários

  1. Foto de perfil de Ivan R B Orso

    Bruno, a hiperinsuflação é uma complicação realmente intrigante. Nunca tinha tido nenhum paciente com esse problema até o começo do ano passado quando tive 3 casos em 3 meses. Na época fiz uma revisão e não consegui encontrar nada relevante na literatura. Após isso tenho feito o implante do balão em mesa estéril, o auxiliar com luva estéril para manipular a seringa e tomando todo o cuidado para não ter nenhum tipo de contaminação das conexões do balão. Também comecei a fazer um tratamento profilático com nistatina no meio do tratamento. Essas condutas não são embasadas na literatura mas após isso não tive mais nenhum episódio.

  2. Foto de perfil de Bruno Martins

    Ivan, voce implantou novo BIG nesses pacientes que tiveram hiperinsuflação? Como foi a evolução?

Deixe um comentário