ARTIGO COMENTADO Avaliação endoscópica da Doença Celíaca

ARTIGO COMENTADO Avaliação endoscópica da Doença Celíaca
Compartilhe:

Dr Mauro Bonatto comenta seu artigo publicado recentemente sobre os achados endoscópicos da Doença Celíaca e sua correlação com a histologia.

 

Avaliação endoscópica da severidade da Doença Celíaca e sua correlação com os aspectos histopatológicos da mucosa duodenal. 

 

A Doença Celíaca ( DC) é   uma afecção crônica autoimune sistêmica, deflagrada e mantida pelo glúten (proteína encontrada no trigo, centeio, cevada e aveia) em indivíduos geneticamente predispostos.  A prevalência  está estimada em 1% da população mundialClinicamente os sintomas típicos da DC são caracterizados por má absorção de início precoce (4-24 meses de idade) com perda de peso, diarreia e desnutrição.  Já na maioria dos adultos, os sintomas gastrointestinais são inespecíficos e vagos. Apresentam-se geralmente com alteração da consistência das fezes, constipação intestinal, distensão abdominal pós prandial, cólicas, náuseas, e vômitos.

O diagnóstico sorológico é realizado através dos Anticorpos antiendomísio (EmA  IgA),  Antitransglutaminase (anti-tTG  IgA) e também pelos Anticorpos antigliadina (IgA e IgG)   que são melhores p/ crianças até dois anos de idade.   A pesquisa do Antígeno de Histocompatibilidade tem alto valor preditivo negativo. Quando o  HLA DQ2/DQ8 estão negativos, excluem o diagnóstico de DC  com confiança de 99%. A sua positividade não confirma o diagnóstico, pois, 30% da população pode ter o antígeno positivo e não desenvolver a DC.

 

Diagnóstico endoscópico da Doença Celíaca

 

Os marcadores endoscópicos específicos para a DC são; perdas das pregas de Kerkring, pregas denteadas, fissuras entre as vilosidades, aglutinações e atrofia das vilosidades (dando o aspecto em mosaico), vasos submucosos visíveis e micro nódulos. O diagnóstico deve ser confirmado pela histopatologia utilizando a classificação de Marsh.  (MARSH, 1992).

Estas alterações  podem ser  identificadas mesmo com aparelhos sem magnificação de imagem. A utilização da cromoscopia com índigo carmim facilita a avaliação destas alterações permitindo a realização de uma classificação endoscópica que está associada com os achados da histologia. Com isso é possível estimar a gravidade da atrofia duodenal tanto ao diagnóstico  como no acompanhamento da regressão das lesões. A classificação endoscópica aqui apresentada,  é de aplicação prática, pois pode ser facilmente reprodutível e traz informações sobre  as alterações suspeitas da doença para realizar o diagnóstico e permite estimar a extensão da doença.

mauro-bonatto-doenca-celiaca-classificacao-endoscopica

Classificação Endoscópica da DC e sua correlação com a histologia. Bonatto 2016.

Bonatto MW et al. Endoscopic evaluation of celiac disease severity and its correlation with histopathological aspects of the duodenal mucosa. DOI http://dx.doi.org/ 10.1055/s-0042-108190 Published online: 29.6.2016 Endoscopy International Open 2016; 04: E767–E777

Link para o artigo completo – clique aqui

mauro-bonatto-doenca-celiaca-titulo

 

Baixar em PDF
Compartilhe:

1 Comentário

  1. Foto de perfil de Ivan R B Orso

    Parabéns pelo artigo Dr Mauro. A classificação proposta tem critérios bem específicos e é de fácil utilização por qualquer endoscopista, permitindo uma boa estimativa do grau de atrofia para acompanhamento da doença celíaca. As imagens do artigo e do material suplementar também são ótimas!

Deixe um comentário