Caso clínico: Importância do exame cuidadoso da câmara gástrica!

Caso clínico: Importância do exame cuidadoso da câmara gástrica!
Compartilhe:

Paciente feminina, 63 anos, veio para realização de endoscopia digestiva alta por epigastralgia esporádica. Sem outros sinais de alarme.

Abaixo vídeo do exame:

Percebam a importância em lavar adequadamente a câmara gástrica, com objetivo de visualizar toda a mucosa do estômago. Adicionalmente, realizada insuflação adequada do órgão e uso de escopolamina endovenosa. Nesse caso foi observada uma lesão elevada (0-IIa), na grande curvatura para parede anterior da transição corpo-antro, medindo cerca de 1,5 cm. Fotos abaixo:

 

A biópsia mostrou adenocarcinoma bem diferenciado com foco de invasão da submucosa. Imagem abaixo gentilmente cedida pelo Dr Heinrich Seidler:

 

As setas em azul mostram o componente intramucoso da lesão, e a seta preta o foco de invasão na submucosa.

 

Paciente foi submetido a gastrectomia subtotal com linfadenectomia. O exame da peça operatória mostrou adenocarcinoma tubular bem diferenciado com invasão da submucosa, e acometimento de 01 linfonodo de 33 (1/33). Estadiamento: pT1bN1

 

Para acessar mais um post de neoplasia gástrica precoce, clique AQUI!

 

Baixar em PDF
Compartilhe:
Foto de perfil de Matheus Franco

Advanced Endoscopy Fellowship na Cleveland Clinic, Ohio, EUA.
Mestre pela Escola Paulista de Medicina – UNIFESP/EPM.
Especialização em endoscopia oncológica no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo – ICESP.

Baixar em PDF

2 Comentários

  1. Foto de perfil de Felipe Paludo Salles

    Belo caso Matheus! Através da magnificação foi possível estimar o acometimento da submucosa? Foram realizadas múltiplas biópsias ou apenas em um sítio específico? A biópsia prévia não poderia atrapalhar uma eventual ressecção endoscópica da lesão?

  2. Foto de perfil de Matheus Franco

    Obrigado Felipe! Respondendo:
    1. não foi possível estimar invasão, e até o momento não existem classificações que possam predizer profundidade de invasão da neoplasia gástrica (diferente das lesões esofágicas e em cólon).
    2. Apenas biópsia direcionada para o sítio mais suspeito.
    3. Sim, atrapalharia a ressecção endoscópica por causar fibrose. Por isso tenho tentado apenas 1 a 2 biópsias.
    Forte abraço

Deixe um comentário