Caso clínico: tratamento endoscópico da hemorragia digestiva não varicosa

Caso clínico: tratamento endoscópico da hemorragia digestiva não varicosa
Compartilhe:

Autores:

Rafael William Noda

Guilherme Gomes

Thienes Maria Costa Lima

Paciente feminino, 78 anos, entrada no PS com melena há 4 dias e sinais de choque hipovolêmico (PA 110/50 e 110 bpm, palidez cutânea mucosa). Em uso, há 10 dias, de AINEs por tratamento dentário.

Comorbidades – HAS e DM sem uso de antiagregantes ou anticoagulantes.

Admitida em UTI para reanimação e realizada EDA 12 horas após a admissão.

Realizada EDA no setor de endoscopia com a paciente estável e sem IOT.

Revelou úlcera duodenal rasa em atividade com vaso visível e sangramento ativo em porejamento (Classificação de Forrest – IB).

Realizadas injeção de 8 ml de solução de adrenalina com glicose 50% (1:10000) e colocação de dois clipes com parada do sangramento.

Paciente evolui estável sem sinais de novo sangramento e realizou EDA 4 dias após para avaliação de todo o estômago antes da alta (no 1º exame, o estômago estava com coágulo) – clipes bem posicionados e sem estigmas de sangramento ativo ou recente.

Legenda: clipes bem posicionados no bulbo duodenal, sem sinais de ressangramento.

Tool Box

  • Agulha Interject 23 g – Boston
  • Clipes Resolution 360 – Boston
  • Gastroscópio EG 500 – Sonoscape

Guideline 2021 da ESGE recomenda

O uso do Glasgow – Blatchford Score (GBS) para estratificação de risco antes da endoscopia (se o Score <= 1, pode realizar endoscopia ambulatorial).

Endoscopia em até 24 horas após medidas de reanimação (não recomenda antes de 12 horas).

Infusão de IBP EV em bolus (80mg) e depois infusão contínua de 8mg/hora por 72 horas após a endoscopia.

Terapia endoscópica dupla – injeção de adrenalina associada a método térmico ou mecânico.

  • Pacientes em uso de anticoagulantes, preferencialmente, iniciar o seu uso novamente só após 7 dias do evento hemorrágico;
  • Em pacientes com sangramento refratário aos métodos endoscópicos tradicionais pode ser considerado o uso de agentes tópicos (hemospray – Cook) ou clip montado sob cap (Padlock – Steris).

Como citar este artigo

Noda RW, Gomes G, Lima TMC. Caso clínico – tratamento endoscópico da hemorragia digestiva não varicosa. Endoscopia Terapêutica; 2021. Disponível em: https://endoscopiaterapeutica.com.br/casosclinicos/caso-clinico-tratamento-endoscopico-da-hemorragia-digestiva-nao-varicosa

Referências

  1. Endoscopic diagnosis and management of nonvariceal upper gastrointestinal hemorrhage (NVUGIH): European Society of Gastrointestinal Endoscopy (ESGE) Guideline – Update 2021. Endoscopy 2021; 53: 300–332

Acesse o Endoscopia Terapêutica para tomar contato com mais artigos comentados, assuntos gerais, casos clínicos, quizzes, classificações e mais!

Baixar em PDF
Compartilhe:

Deixe um comentário