Classificação de Rutgeerts – se você faz colonoscopia precisa conhecer!

Classificação de Rutgeerts – se você faz colonoscopia precisa conhecer!
Compartilhe:

 

A Classificação de Rutgeerts é aplicada em pacientes portadores de Doença de Crohn que foram submetidos a hemicolectomia direita.

Quanto maior o escore de Rutgeerts maior a chance dos pacientes apresentarem recidiva da doença.

O endoscopista precisa conhecer essa classificação e caso não sinta seguro em aplicá-la deve ao menos descrever minuciosamente a região da anastomose e íleo neoterminal quanto a presença/ausência de erosões/úlceras/estenose assim como caracterizá-las quanto a quantidade e localização destas.

A classificação original descrita por Rutgeerts em 1990 (vista abaixo) é descrita como:

  • I0:       Quando não há erosões/úlceras em anastomose/íleo neoterminal
  • I1:       Menor ou igual a 5 erosões/úlceras aftoides em anastomose
  • I2:       > 5 úlceras aftoides em anastomose e/ou úlceras maiores intercaladas por mucosa normal ou lesões confinadas à anastomose
  • I3:       Inflamação difusa de íleo terminal
  • I4:       Inflamação difusa do íleo terminal com úlceras maiores e/ou estenoses ileo/anastomose

 

RUTGEERTS I0 – ANASTOMOSE E ÍLEO NEOTERMINAL SEM LESÕES

 

RUTGEERTS I1 – 1 ÚLCERA ANASTOMOSE

 

RUTGEERTS I2 – ÚLCERAS MAIORES EM ANASTOMOSE

 

RUTGEERTS I3 – INFLAMAÇÃO DIFUSA DE ÍLEO TERMINAL

 

RUTGEERTS I4 – ESTENOSE INFLAMATÓRIA (ÚLCERAS PROFUNDAS EM ANASTOMOSE)

 

Pacientes com escore I0 e I1 estão em remissão endoscópica, enquanto os classificados como I2, I3 e I4 apresentam recorrência pós-operatória e esta informação obriga a otimização do tratamento clínico.

As limitações dessa classificação são:

  • A estenose é definida apenas como presente/ausente sem diferenciá-la em inflamatória (Rutgeerts i4) fibrótica, o que tem implicações clínicas diferentes.
  • A distinção entre erosões, úlceras aftóides e maiores nem sempre é fácil.
  • Não há diferenciação entre úlceras inflamatórias do Crohn e úlceras isquêmicas. Daí a importância de descrever bem as características das úlceras. Pensar em etiologia isquêmica quando confinadas à anastomose.

 

Referências bibliográficas:

Rutgeerts P, Geboes K, Vantrappen G, Beyls J, Kerremans R, Hiele M. Predictability of the postoperative course of Crohn’s disease. Gastroenterology.1990;99:956-63

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Baixar em PDF
Compartilhe:
Foto de perfil de Alexandre Carlos

Médico Assistente do Departamento de Gastroenterologia do Hospital das Clínicas de São Paulo
Membro titular da FBG e SOBED
Membro titular do Grupo de Estudos da Doença Inflamatória Intestinal do Brasil (GEDIIB).

Baixar em PDF

Deixe um comentário