CLASSIFICAÇÕES

CLASSIFICAÇÕES

POR ASSUNTO

CÓLON

ESÔFAGO

ESTÔMAGO

INTESTINO DELGADO

VIAS BILIARES

OUTROS

MAIS RECENTES

Hérnias hiatais

Hérnias hiatais

As hérnias de hiato ou simplesmente hiatais são frequentes em nosso meio. A mais comum é a do tipo deslizamento. A classificação mais abrangente reconhece 4 tipos:   Baixar em PDF »

Esofagite péptica – MUSE

Esofagite péptica – MUSE

É uma classificação pouco utilizada em nosso meio. Os graus baseiam-se nas complicações decorrentes da esofagite. MUSE = M (metaplasia) U (ulceration) S (stenosis) E (erosion) Metaplasia Ulceration Stenosis Erosions Baixar em PDF »

Esofagite péptica – Sonnemberg

Esofagite péptica – Sonnemberg

Classificação muito pouco utilizada em nosso prática diária. Leve Moderada Complicada Baixar em PDF »

Esofagite péptica – Hetzel

Esofagite péptica – Hetzel

Assim como outras classificações existentes, como por exemplo Sonnemberg e Allison, a classificação de Hetzel raramente é utilizada, mas acreditamos que valha a pena saber que existe !   0 I II III IV   Baixar em PDF »

Esofagite péptica – Allison

Esofagite péptica – Allison

Colocamos essa classificação em nossa lista apenas para ilustrar e sabermos que existem diversas delas que não são utilizadas em nossa prática diária. I II III IV V Baixar em PDF »

Esofagite péptica – Savary Miller

Esofagite péptica – Savary Miller

A classificação de Savary Miller ainda é bastante  utilizada, porém vem sendo substituída pela de Los Angeles. SM 1 SM II SM III SM IV SM V Baixar em PDF »

Esofagite por cândida – Kodsi

Esofagite por cândida – Kodsi

  Publicado em 1976 na Gastroenterology por Kodsi BE, descreve o grau de esofagite por cândida:   Graus de esofagite por cândida (Kodsi) Grau Achados Endoscópicos Grau I Pequeno número de placas (menores de 2mm) esbranquiçadas e elevadas com hiperemi... »

Esofagite péptica – Los Angeles

Esofagite péptica – Los Angeles

O uso de uma classificação para a graduação da esofagite erosiva é importante pois muda o prognóstico e o tratamento do paciente e guia o médico na investigação da fisiopatologia da doença do refluxo gastroesofágico. A classificação de Los Angeles foi publicad... »

Classificação de lesões vasculares (Yano Yamamoto)

Classificação de lesões vasculares (Yano Yamamoto)

Uma nova classificação para lesões vasculares foi proposta por Yano et al., em 2008, baseada em achados endoscópicos do intestino delgado. Tal classificação é útil para determinar a conduta terapêutica, pois lesões classificadas como do tipo 1 são venosas e pa... »

Borrmann – Câncer gástrico avançado

Borrmann – Câncer gástrico avançado

Classificação de Borrmann – Câncer gástrico avançado A apresentação macroscópica do câncer gástrico avançado é bastante variável. A classificação de Borrmann é a mais utilizada entre os endoscopistas.   Borrmann I Lesão polipóide ou vegetante, bem d... »

Câncer gástrico precoce – classificação japonesa

Câncer gástrico precoce – classificação japonesa

Câncer gástrico precoce Classificação da Sociedade Japonesa de Endoscopia Digestiva   I – Polipóide IIa – Superficial elevado IIb – Superficial plano IIc – Superficial deprimido   III – Ulcerado   Tipos Mistos ̵... »

Classificação de Bismuth – Estenose benigna de via biliar

Classificação de Bismuth – Estenose benigna de via biliar

»

Classificação de Haggitt

Classificação de Haggitt

Para as lesões pediculadas, os níveis de invasão Haggitt 1, 2 e 3 (nível 0-carcinoma não-invasivo; nível 1-invasão da cabeça do pólipo Ip; nível 2-invasão do colo do pólipo Ip; nível 3-invasão do pedículo do pólipo Ip) correspondem a sm1 e o nível 4 (nível 4... »

Classificação de Sakita

Classificação de Sakita

Classificação de Sakita A1 (Active): A lesão geralmente tem bordas planas e nítidas, fundo com fibrina e por vezes restos necróticos. A2 (Active): As bordas tornam-se bem definidas, às vezes elevadas, tomando forma mais nítida, fundo com fibrina espessa e clar... »

Classificação de Sidney

Classificação de Sidney

Gastrites – classificação endoscópica Sistema Sidney TOPOGRAFIA CATEGORIA GRAU DE INTENSIDADE Pangastrite Enantematosa Leve Gastrite do antro Erosiva plana Moderada Gastrite do corpo Erosiva elevada Severa Atrófica Hemorrágica Refluxo Pregas mucosas hipe... »

Classificação de Vienna

Classificação de Vienna

Classificação de Vienna 1- Negativo para neoplasia / displasia 2- Indefinido para neoplasia / displasia 3- Neoplasia intra-epitelial de baixo grau (substituto da displasia leve ou moderada) 4- Neoplasia intra-epitelial de alto grau (substituto da displasia alt... »

Classificação de Yamada

Classificação de Yamada

  Yamada I – Ligeiramente elevada Yamada II – Séssil Yamada III – Semipediculada Yamada IV – Pediculada   Yamada T, Ichikawa H. X-ray diagnosis of elevated lesions of the stomach. Radiology. 1974;110:79–83. Baixar em PDF »

Classificação endoscópica das varizes gástricas

Classificação endoscópica das varizes gástricas

Classificação endoscópica das varizes gástricas Localização Código Descrição Varizes gastroesofágicas GOV1 continuação de varizes esofágicas e se estendem por 2 a 5 cm abaixo da transição gastroesofágica pela pequena curvatura do estômago GOV2 estendem-se para... »

Zargar – Esofagite cáustica

Zargar – Esofagite cáustica

CLASSIFICAÇÃO DE ZARGAR MODIFICADA ‘ É a classificação mais usada para lesões cáusticas. Um lembrete importante é que os graus 0 e 2A não evoluem com estenose !   Baixar em PDF »

Classificação de Savary – Miller

Classificação de Savary – Miller

Savary – Miller modificada Grau I – Erosão única, ovalada ou linear, com ou sem exsudato fibrinoso, localizada em uma única prega longitudinal Grau II – Erosões lineares, com ou sem exsudato, situadas em mais que uma prega longitudinal, com ou sem conflu... »