DIRETRIZES (ESGE) : Remoção de corpo estranho do trato gastrointestinal alto em pacientes adultos

DIRETRIZES (ESGE) : Remoção de corpo estranho do trato gastrointestinal alto em pacientes adultos
Compartilhe:

Medidas não endoscópicas : 

  • A ESGE recomenda avaliação diagnóstica completa baseada na história e nos eventuais sintomas apresentados pelo paciente. Recomenda ainda, um exame físico direcionado para a condição geral do paciente e possíveis sinais de quaisquer complicações (forte recomendação, a evidência de baixa qualidade).
  • A ESGE não recomenda avaliação radiológica para pacientes sem sinais de complicações e que apresentam impactação por bolo alimentar, porém relatam que não houve a ingestão de alimentos contendo osso (radiopaco) . Entretanto, recomenda a realização de radiografia simples para avaliar a presença, localização, tamanho, configuração e número de corpos estranhos ingeridos se a ingestão de objetos radiopacos é suspeito ou o tipo de objeto é desconhecido (recomendação, fortes indícios de baixa qualidade).
  • A ESGE recomenda a realização de tomografia computadorizada (TC) em todos os pacientes com suspeita de perfuração ou outra complicação que pode exigir abordagem cirúrgica (recomendação, fortes indícios de baixa qualidade).
  • A ESGE não recomenda a realização de exames radiológicos baritados, devido ao risco de aspiração e agravamento da visualização endoscópica (recomendação, fortes indícios de baixa qualidade).
  • A ESGE recomenda observação clínica, sem a necessidade de remoção endoscópica para tratamento de pacientes assintomáticos com a ingestão de objetos contundentes e pequenos (exceto baterias e ímãs). Se possível, o monitoramento ambulatorial é apropriado (forte recomendação, a evidência de baixa qualidade).
  • A ESGE recomenda observação especial em indivíduos assintomáticos que ingeriram pequenos pacotes de drogas. Não recomendamos a tentativa de remoção endoscópica. Recomendamos abordagem cirúrgica em casos de suspeita de complicações : ruptura desses pacotes, parada da progressão e/ou obstrução intestinal (recomendação, fortes indícios de baixa qualidade).

Medidas endoscópicas :

  • A ESGE recomenda endoscopia em caráter emergencial (de preferência dentro de 2 horas, mas, o mais tardar no prazo de 6 horas) para corpos estranhos que causam obstrução esofágica completa, para objetos cortantes ou baterias no esôfago. A endoscopia em caráter de urgência (até 24 horas) deve ser realizada para outros tipos de corpos estranhos de esôfago sem obstrução completa (recomendação, fortes indícios de baixa qualidade).
  • Em casos de obstrução esofágica por bolo alimentar, a ESGE sugere que deve-se empurrá-lo suavemente para o estômago. Se este procedimento não for bem sucedido, a retirada através da boca deve ser considerada (recomendação fraca, evidências de baixa qualidade).
  • Nos casos de impactação do bolo alimentar, a ESGE recomenda uma avaliação diagnóstica detalhada para uma possível doença subjacente, incluindo avaliação histológica, além da terapêutica endoscópica para remoção do corpo estranho (recomendação, fortes indícios de baixa qualidade).
  • A ESGE recomenda em caráter de urgência  (até 24 horas) a realização de endoscopia para corpos estranhos no estômago, tais como objetos de pontas afiadas, ímãs, baterias e objetos grandes / longos. Sugerimos em caráter não urgente (dentro de 72 horas) endoscopia  para corpos estranhos sem corte, de tamanho médio e que ainda permanecem no estômago após esse período (recomendação, fortes indícios de baixa qualidade).
  • A ESGE recomenda a utilização de um dispositivo de proteção, a fim de evitar danos no estômago, esôfago e faringe, e tambem a eventual aspiração durante a extração endoscópica de corpos estranhos pontiagudos. A intubação endotraqueal deve ser considerada no caso de alto risco de aspiração (recomendação forte, evidência de baixa qualidade).
  • A ESGE sugere o uso de dispositivos de extração adequados de acordo com o tipo e a localização do corpo estranho ingerido (recomendação fraca, evidências de baixa qualidade).
  • Após a remoção endoscópica bem sucedida a ESGE sugere que o paciente possa receber alta. Se os corpos estranhos não são ou não podem ser removidos, uma abordagem caso a caso, dependendo do tamanho e tipo de corpo estranho é sugerida (recomendação fracos, prova de baixa qualidade).

Acesse a diretriz completa aqui.

Baixar em PDF
Compartilhe:
Foto de perfil de Admin
Por Admin