QUIZ! Disfagia

QUIZ! Disfagia
Compartilhe:

 

Mulher, 45 anos, com queixas de disfagia alta (cervical) progressiva, predominantemente para sólidos, há cerca de um ano e meio. Nega DM, HAS ou perda de peso neste intervalo de tempo. Não é tabagista ou etilista, tampouco possui histórico de neoplasias nos antecedentes clínicos. Como única intervenção cirúrgica, submeteu-se à gastroplastia redutora à Capella há 7 anos para tratamento de obesidade, sem relato de reganho de peso.  

Exames laboratoriais revelaram Hb 9,1g/dL (12-16g/dL), Ht 28,5%,  Ferro sérico 20µg/dL (37-145 µg/dL), Transferrina 80 µg/dL (250-380 µg/dL), Sat. Ferro 19% (20-40%).

Realizou EDA:

Área de estenose em esôfago proximal (15cm da ADS) com 1,5cm de extensão, que conferia moderada resistência à passagem do gastroscópio (9,8mm)

 

Status pós-operatório de gastroplastia redutora à Capella sem anormalidades.

Compartilhe esse quiz para mostrar seus resultados !


Apenas nos diga quem você é para ver o resultado!

Estenose esofágica Acertei %%score%% em %%total%%
Compartilhe:
Foto de perfil de Gerson Brasil

Especialista em Endoscopia Digestiva pelo HC-FMUSP.
Professor da Disciplina de Gastroenterologia da UniNassau.
Preceptor da Residência de Gastroenterologia do HUOC-UPE.
Membro Titular da SOBED e FBG.
Presidente da SOBED-PE 2017/2018.

2 Comentários

  1. Foto de perfil de Matheus Franco

    Parabéns Gerson pelo caso e pela revisão que ficou clara e completa.
    Algum cuidado especial após a dilatação desse caso? Quanto tempo de observação antes de liberar dieta? Abraço

    • Foto de perfil de Gerson Brasil

      Olá Matheus! Obrigado pelo comentário.
      Neste caso específico consegui alcançar 17mm em sessão única, uma vez que a estenose não era tão significativa. Como o procedimento transcorreu sem qualquer intercorrência, liberei dieta pastosa logo após a recuperação da sedação e orientei mantê-la por 3 dias em associação com analgesia, visto que essas dilatações muito altas (abaixo do cricofaringeo) tendem a causar mais desconforto no pós.
      Também combinei com a médica assistente da paciente, a despeito da falta de evidência nível A, para mantermos uma vigilância anual, pelo menos nos primeiros 10 anos…!
      É isso…! Um abraço!

Deixe um comentário