Home » Drenagem endoscópica de pseudocisto de pâncreas com necrosectomia

Drenagem endoscópica de pseudocisto de pâncreas com necrosectomia

por Ivan R B Orso
Compartilhe:

Vídeos CPRE, EUS, e Exame Drenagem endoscópica de pseudocisto de pâncreas com necrosectomia

 

[ddownload id=”4959″]

Paciente masculino, 56 anos, 4 meses após episódio de pancreatite aguda, evoluindo com quadro de dor abdominal de forte intensidade.  Tomografia de abdome demonstrando volumoso pseudocisto de pâncreas com íntimo contato com a parede gástrica.

Este procedimento de drenagem foi feito sem o uso de ecoendoscopia. A punção da parede gástrica foi realizada com cateter estilete (needle knife), dilatação com balão CRE até 12 mm e passagem de prótese plástica de 10 F com duplo pig tail.  A utilização de ecoendoscopia para drenagem endoscópica de pseudocistos de pâncreas não é obrigatória quando se tem um abaulamento evidente da parede gástrica, porém, a sua utilização aumenta bastante a segurança do procedimento. Atualmente para a drenagem tenho utilizado sempre ecoendoscopia para guiar a punção. Uso agulha de punção ecoendoscópica de 19 G para acessar o cisto e coletar material, seguido de passagem de fio guia através da agulha, ampliação do trajeto com cistótomo de 10 F e dilatação com balão hidrostático até 12 mm.  No vídeo demonstrado foi realizada a passagem de apenas uma prótese. Esta conduta está associada a um maior risco de infecção do cisto. A conduta sugerida atualmente é utilizar pelo menos 2 próteses para manter o trajeto após a drenagem endoscópica do pseudocisto de pâncreas.

+ posts

Doutor em Ciências em Gastroenterologia pela USP
Especialista em Endoscopia Diagnóstica e Terapêutica da Gastroclínica Cascavel e do Hospital São Lucas FAG
Coordenador da Residência Médica em Cirurgia Geral e Professor de Gastroenterologia da Escola de Medicina da Faculdade Assis Gurgacz


Compartilhe:
0 Comentário

Deixe seu comentário